Domingo, 12 de Março de 2006

Um barco

 

 


 

perigo, promessa ou ilusão?

Passar na margem dum rio e ver um barco vazio, amarrado a uma árvore igualmente só. Tempos de contrabando, visões de damas do lago ou o regresso de Sebastião-rei? Logo acima está este solar, virado para o rio, meio arruinado, meio habitado.

Ruínas de que tempos faustos? Assombrado por que memórias? Habitado ( ou usado) por quem?

Do rio não vem outra resposta senão a da inquietação, ou não fosse a noite que se avizinha ser irmã da névoa espessa onde se perdem mundo e vagabundos

Porque não há pegadas no areal?

Que desolação assombrada é esta onde a memória dos Homens está viva, mas não existe viv'alma por perto?

Direitos de Autor: textos e fotos de Pedro Freire de Almeida pepe às 19:18
link do post | comentar | ver comentários (1) | favorito

Um barco

blogs SAPO

subscrever feeds