Quinta-feira, 15 de Junho de 2006

Pela noite sem lua, guiado por odores a maresia e aromas de pinho,

0005f1gd

quem pisa as dunas sabe ao que vai?

Do que entrevê, outros mundos passados e futuros, aquém e além-mundo, não percebe...

00049skc

e os passos seguem o caminho até à praia sem se dar conta

0005bffk

porque junto ao mar tudo é claro e nítido...mas, se é assim, que faz ali, abandonado e virado sobre si mesmo, um barco?

0004apf9

Nem a areia lambida pelo mar é a mesma da deixada lá trás, nas dunas: as pegadas, aqui, são nítidas e duradouras (?!) enquanto por baixo do areal húmido abrem-se orifícios pequenos, sinal de agitação profunda.

 0004ba89

Entre a água e a areia joga-se ao claro-escuro...o caminhante terá ideia ao que jogam?

0005yd1p 

Como pode ter atraído que foi por odores e aromas, embalado no marulhar das águas, e agora seduzido pelos róseos dedos da Aurora?

0004dc6h

 

Porque, por mais avisado esteja de que até à luz do dia existem lugares assombrados, alguém resiste ao apelo da madrugada?

0004ebst 

Talvez se assuste com a presença de alguma criatura marinha abandonada na maré-vaza,

0004frx7

 

talvez a aparição duma rocha aparentemente inerte o perturbe,

0005xq53 

porém, à ténue luz da Aurora, reverberada pelas águas do Oceano, as formas são envolvidas duma falsa tranquilidade, onde se ocultam segredos de arquitectura telúrica,

0005g5hq 

ossadas de monstros pré-históricos,

0005hstw 

marcas de fronteiras abandonadas.

0005k8y0 

Já não há memória dos piratas normandos e dos corsários magrebinos, homens do mar tenebroso que assolaram este litoral: para repeli-los, homens da terra enxuta e firme elevaram barreiras em pedra e ferro.

0004q6d0

 

Essas histórias, e muitas estórias outras, ocultam-se à vista de todos, fechadas as portas que ninguém pensa abrir,

0004rdqx

 

e não há luz que desvele seus segredos:

0005dye4

 

ervas daninhas ou benfazejas do esquecimento, silvas eriçadas de culpa nunca expiada, cobrem a memória dos Homens,

0004tb0w

 

escondendo escadarias graníticas,

0004wy7z

 

janelas e portas que são olhos vazados pela violência do Tempo e dos tempos.

000545pd

 

Quantos suportarão a dor de tanta memória? É moléstia de pele que mancha,

0005pske

supura

0005qe37

e corrói

0005rgyg 

Não existirão outras vias quando se tem o campo verde dum lado

00050egt 

e o mar aberto do outro?

0004z8ka

Via à aventura, ao sonho, novos mundos onde tudo será pela primeira vez.

 

Talvez, talvez...Mas não!_ dirão aqueles que têm os pés de chumbo bem assentes na terra.

0005ew48

 

-Só se salvará quem refizer seus passos

00056s2d

 

regressando a terra firme, à terra dos homens! 

0005tkzz

Onde tudo tem o seu lugar: a virtude e a falta dela, o ter e o ser.

0005w9wr

Porque é mesmo verdade que o sono dormido sob uma cobertura de telha é muito diferente do sonho vivido à beira-mar.

0005sqdx 

Essa é sabedoria antiga do tempo daqueles que cruzavam os mares aterrados com o cântico das sereias.

00059tcx

 

Quando punham ambos os pés sobre terra enxuta na volta aos Lares, mulheres e filhos, parentes e vizinhos, recebiam-nos como se regressados do Além.

00047gwc

 

O Sonho revelava-se demónio tenaz e quezilento que só os anos e a vida castigam com golpes implacáveis, sem nunca mata-Lo.

 0005a94t

 

 

 

 

Direitos de Autor: textos e fotos de Pedro Freire de Almeida pepe às 00:32
link do post | comentar | favorito
5 comentários:
De ana a 16 de Junho de 2006 às 13:01
Quero-me com esse demónio tenaz, quezilento e imorredoiro.
Quero poder ir ao Além e voltar, mesmo que isso me traga penas.
Não tapo os ouvidos quando cantam as sereias.
Sei que há um preço para toda a ousadia. Assim é o meu mundo.
De pepe a 16 de Junho de 2006 às 13:53
Benvinda a este meu novo sítio, Ana! Não duvido nada do demónio que traz consigo, sempre disponível para correr mundos e voltar, encantada pelos canticos das sereias e apreciando-as por cantarem bem.
De ana a 28 de Junho de 2006 às 17:01
Obrigada, Pepe, pelas boas-vindas.
Breve, breve, vou ouvir sereias na costa do Alasca, na zona dos glaciares.
Com o meu filho. De barco.
Sonho antigo, difícil, agora vai...
De pepe a 30 de Junho de 2006 às 18:23
Desta vez quem se confesa cheio de admiração e inveja sou eu! E de barco?!..."Via à aventura, ao sonho, novos mundos onde tudo será pela primeira vez...porque é mesmo verdade que o sono dormido sob uma cobertura de telha é muito diferente do sonho vivido à beira-mar."
Faço votos para que tenha uma viagem de sonho e se deixe levar pelo canto das sereias!






De ana a 24 de Agosto de 2006 às 10:43
Agradeço os seus votos, Pepe.
Fui e voltei - adorei - sonhar no mar é outra coisa.
Baleias, lontras, salmões, gaivotas, ursos...no mar ou perto dele, eu vi e ouvi.
Por lá, para ouvir as sereias, faltou-me estar em "estado de paixão aguda"...

Comentar post

mudança de endereço

arranhando a superfície a...

Findo Setembro, o que fic...

fronteira

mistério pascal

Interior Profundo

Litoral

PortuCale

melancolia de natal

Tempus fugit

Pela noite sem lua, guiad...

Todos os rios correm para...

Nem todos os lugares asso...

Das horas tranquilas nenh...

Um barco

blogs SAPO

subscrever feeds